O futuro começa agora

A tragédia foi fintada. Por todos. Empresa e trabalhadores de mãos dadas partem à conquista de mercados internacionais.

Sónia Ferreira, administradora da Carmonti, foi o espelho da emoção que se vive na empresa de transformação de carne que opera em Montijo. Não conseguiu conter algumas lágrimas, depois de até ter interrompido o discurso de cerimónia, para trás que ficavam seis meses de trabalho árduo para reerguer a unidade fabril que foi dizimada por um incêndio a 24 de Agosto de 2013. O coração falou mais alto, esta terça-feira, durante a inauguração simbólica das novas instalações da empresa, que, mesmo em situação delicada, assegurou a totalidade dos seus postos de trabalho. Os operários tiveram, inclusive, papel fundamental no processo de reconstrução das instalações. “Foram incansáveis, tal como os bombeiros”, lembrou a administradora.

A tragédia foi fintada, depois de uma união de esforços – exemplo notável – que permitiu ganhar novo fôlego e apontar a um futuro promissor. Aliás, o futuro começa agora. “Já estamos a ampliar a fábrica. Vai existir uma nova unidade fabril, que criará 100 novos postos directos de trabalho e permitirá aumentar a capacidade de frio e de produção da empresa”, revelou Sónia Ferreira. De 6.000m2 consumidos há seis meses pelas chamas, a Carmonti, até ao final deste ano, com a abertura da nova nave industrial, passará a operar numa área total de 20.000 m2. E o objectivo está bem definido: “Com o crescimento pretendemos alcançar novos mercados internacionais, Estados Unidos, Canadá, China e, sobretudo, consolidar a posição em Angola”, aponta a responsável.

Equipada com tecnologia de ponta, a empresa abate 1.300 porcos por dia, o que se traduz na colocação de mais de 500 toneladas de produtos Carmonti, semanalmente, no mercado. Chouriços argola e corrente, morcela, farinheira, bacon e uma gama completa de fiambres destacam-se entre os vários produtos produzidos pela empresa.

Um símbolo que afirma o Montijo

Durante a cerimónia, Nuno Canta, presidente da Câmara do Montijo, sublinhou que a Carmonti ao abrir as portas “transformou-se num símbolo de criação de riqueza, que afirma o Montijo”. Presentes estiveram também os vereadores Francisco Santos, Carlos Jorge Almeida, Ana Baliza e Pedro Vieira, além de Américo Moreira, comandante (em substituição) dos Bombeiros do Montijo. A ocasião permitiu ainda a visita às instalações.

Por: Diário da Região

diario-regiao

A administração composta pela Família Ferreira, que gere a Carmonti.